Nova Zelândia: vida selvagem

Nadar com golfinhos, observar baleias e conhecer o famoso pássaro kiwi são experiências imperdíveis para quem visita o destino. O Departamento de Turismo do país elencou várias atrações:

Observação de baleias em Kaikoura (Foto: Whale Watch Kaikoura)

Se a Nova Zelândia é conhecida pela grande diversidade de paisagens, com alpes, fiordes, vulcões, florestas e praias, não surpreende que a vida selvagem do país seja igualmente variada e abundante.

Em Northland, na Ilha Norte, é possível mergulhar, fazer snorkel e passear de caiaque para ver a rica vida marinha, flora e fauna únicas e também o réptil nativo conhecido como tuatara. O plateau vulcânico do centro da Ilha Norte abriga lindos e curiosos pássaros, como o kōkako, o kaka e o kiwi, além de uma variedade de lagartos. Mais ao sul, em águas frias, você encontrará mamíferos marinhos: quase metade dos cetáceos (baleias, toninhas e golfinhos) do mundo estão nas águas da Nova Zelândia, incluindo o golfinho-de-hector, que não é encontrado em nenhum outro lugar.

Veja como conhecer a vida selvagem da Nova Zelândia:

Zealandia
Se você gosta de visitas guiadas, faça um tour por Zealandia, incrível santuário ecológico urbano nas colinas da capital neozelandesa, Wellington. Espera-se que, nos próximos 500 anos, a área seja restaurada ao estado em que se encontrava antes dos humanos. Essencialmente, trata-se de um vale de 225 hectares onde vivem mais de 40 espécies de pássaros nativos (incluindo o raro takahe), assim como o tuatara e o kiwi.

Omaru
Em Omaru, na Ilha Sul, você poderá ver os menores pinguins do mundo em seu ambiente natural. Os pinguins azuis fazem seus ninhos em um local próximo ao porto e ao centro histórico da cidade. O ideal é programar um tour para o início da noite, quando os pinguins sobem uma rampa de pedra depois de um dia de pesca e voltam para a colônia. Durante o dia, converse com a equipe de especialistas para aprender mais sobre a colônia e sobre a anatomia e os hábitos de alimentação e reprodução dos pinguins.

Otorohanga
Fazendo uma visita ao Otorohanga Kiwi House & Native Bird Park, próximo a Hamilton, você com certeza verá o kiwi, pássaro nativo que não consegue voar e que é o mais conhecido da Nova Zelândia – aliás, poderá ver inclusive as espécies mais raras. Programe-se para que sua visita coincida com os horários de alimentação e aproveite para também conhecer aves como tui, kea e kaka, assim como enguias e patos azuis.

Bay of Islands
Nade com golfinhos no Dolphin Eco Experience, serviço oferecido pela empresa Fullers na bela Bay of Islands, região de Northland. Um cruzeiro que leva metade de um dia – e está disponível entre novembro e abril – oferece a chance de nadar e fazer snorkel ao lado destas criaturas magníficas.

Taiaroa Head
Aproveite a rara oportunidade de aprender sobre o albatroz real na única colônia em continente em todo o mundo, que fica localizada em Taiaroa Head, perto de Dunedin, na Ilha Sul. Maior ave marinha do mundo, o albatroz real costuma procriar em ilhas remotas e passa 85% de sua vida no mar, longe dos curiosos olhos humanos. Visite a colônia na época de procriação, entre setembro e novembro, para ver os pássaros chegando, construindo ninhos e até chocando os filhotes.

Na própria natureza
Stewart Island, ou Rakiura, é a terceira e menor ilha da Nova Zelândia. Cerca de 80% dos 1.680 quilômetros quadrados de Rakiura integram um parque nacional, e estima-se que existam 20 mil kiwis em toda a ilha. Embora estes sejam pássaros de hábitos noturnos, o kiwi marrom da Stewart Island, também conhecido como tokoeka, é único por ser ativo também durante o dia.

Wellington
É possível avistar colônias de focas a apenas alguns minutos do centro de Wellington fazendo uma visita à região de Red Rocks, ou em uma viagem mais longa até Cape Palliser. Embora as colônias locais sejam majoritariamente formadas por machos, focas fêmeas e seus filhotes são comuns entre agosto e outubro.

Kaiakoura e Marlborough
Localizada na Ilha Sul, Kaikoura é a capital da Nova Zelândia no que diz respeito à observação de baleias. Enormes cachalotes podem ser vistas o ano todo, mas também é possível avistar baleias jubartes, francas austrais e azuis (os maiores e mais barulhentos animais que já viveram na Terra). A empresa Whale Watch Kaikoura faz várias viagens por dia e promete que a chance de conseguir avistar uma baleia é de 95%.

Na região de Marlborough, próxima dali você encontrará baleias jubarte na ponta do Cook Strait, o estreito entre a Ilha Norte e a Ilha Sul, e também se visitar Marlborough Sounds durante o inverno (entre junho e agosto). A empresa E-Ko Tours leva visitantes até a água para ver golfinhos e pássaros marítimos. Durante a temporada, há tours de observação de baleia guiadas por ex-baleeiros.

Mais informações no site: http://www.newzealand.com/br/