Viagens inclusivas

Projeto piloto de operadora de viagens tenta levar deficiente visual aos cumes de seis das maiores montanhas do mundo

A operadora Grade6 Viagens, focada em montanhismo e trekking, acaba de lançar um programa de experiências inclusivas, com objetivo de levar deficientes físicos ou visuais a algumas das montanhas mais altas e famosas do planeta.

O projeto piloto, pioneiro na América do Sul e feito em parceria com a ONG Associação Samaúma, nasceu em agosto deste ano, quando José Eduardo Sartor Filho e Carlos Santalena, sócios da Grade6 e renomados guias de alta montanha, levaram o deficiente visual paulistano Eduardo Soares ao topo do Monte Elbrus, localizado na Rússia, e, um mês depois, ao do Kilimanjaro, na Tanzânia.

O programa segue o conceito de inclusão reversa, que é uma significativa ferramenta de desenvolvimento humano, já que permite contato próximo com pessoas que diariamente transformam suas limitações em caminhos criativos e problemas em soluções. Tudo isso provoca uma mudança de olhar e foco nas potencialidades, além de gerar cooperação.

A próxima expedição de Eduardo Soares, prevista para o início do ano que vem, será ao cume do Monte Aconcágua, na Argentina, o maior das Américas. A etapa seguinte será a subida à Pirâmide Carstensz, mais alta da Oceania, localizada na ilha da Nova Guiné, na Indonésia. O projeto Expedições Inclusivas abrange ainda o icônico monte Everest, maior do planeta, com 8.848 metros de altitude, e um dos mais inóspitos e extremos, o Vinson, na Antártida. A trajetória do atleta pelos seis cumes será registrada para um documentário e série de TV.

Os interessados em participar podem obter mais informações em www.expedicoesinclusivas.com e www.grade6viagens.com.br.